Inicial

                                                                  
DESEMBOQUE – ATERRADO – IBIRACI

A APAIXONANTE RECONSTRUÇÃO DE UMA HISTÓRIA

         Em 2004, com a criação do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural, Ibiraci iniciou a busca de suas raízes históricas para atender compromisso com o IEPHA (Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais). O trabalho veio sendo desenvolvido ao longo destes últimos anos, através de uma parceria entre a oscip Protetores da Bacia do Rio Grande (PROBRIG), Prefeitura Municipal de Ibiraci e um grupo de voluntários, com a coordenação de José Limonti Junior. A este grupo sempre foi dado o apoio do Arquivo Histórico Municipal de Franca “Hipólito Antonio Pinheiro” e do Museu Histórico Municipal de Franca “José Chiachiri”.

O que havia então, sobre a nossa história, era uma crônica histórica publicada na década de 70 sem nenhuma preocupação bibliográfica e baseada em alguns poucos depoimentos orais. Havia também uma monografia, publicada na década de 40 pelo dr. Gabriel Barbosa de Andrade com poucas, porém úteis, informações sobre a história do nosso município e ainda algumas pesquisas interrompidas, iniciadas por uma professora de nossa cidade, nos seus tempos de faculdade (que não puderam ser adquiridas pelo Conselho por intenções editoriais futuras da pesquisadora).

Tudo, na verdade, se resumia a poucas e confusas pistas sobre nosso passado.
Aconteceu então, um fato que de certa forma encaminhou todo o processo de pesquisa que iniciamos a partir daí, o sr. Luiz Gonzaga Lima nos visitou trazendo de presente uma réplica do mapa feito pelo Cap. Hipólito Antonio Pinheiro em 1805 e encaminhado ao Governador da Capitania de São Paulo, Antonio José da Franca e Horta, mostrando toda a nossa região em detalhes que ele conhecia muito bem. O contato com as informações contidas no mapa nos sugeriu a importância de entendermos o contexto da região, naquela época (início do século XIX), através da cartografia. Este, com certeza, foi o diferencial do nosso trabalho com relação aos outros trabalhos de pesquisas já realizados sobre o assunto, na nossa região: partimos da cartografia histórica para a documentação escrita e isto nos proporcionou , além de um conhecimento satisfatório da geografia regional, a compreensão de textos históricos até então interpretados de forma inadequada ou incompleta.


   


Mapas do acervo PROBRIG

          A conjugação de geografia com os textos históricos nos revelou, já de início, que o período histórico a ser pesquisado teria que ser anterior ao mapa do Cap. Hipólito em pelo menos 60 anos, ou seja, com o início do aparecimento na cartografia portuguesa do povoamento e conquista do sertão, do local designado como Desemboque,  povoado paulista, situado na margem esquerda do rio Grande, que definia os limites entre as Capitanias de São Paulo, Minas Gerais e Goiás.
Hoje, com um acervo cartográfico que reúne mais de 50 mapas que documentam as transformações políticas na região de Ibiraci entre 1750 e 1936 e com o suporte de todas as publicações oficiais sobre as questões de limites entre Minas Gerais e São Paulo, pode-se dizer que Ibiraci está pronta para ter a sua história reconstruída e com isto, colaborar decisivamente, para a reconstrução de toda a história regional.
Além da cartografia, convém citar, que o estudo da genealogia nos trouxe novas perspectivas na compreensão dos vultos mais importantes da nossa história regional, bem como uma interpretação mais real de atos e fatos, executados e vividos por estes pioneiros em nossa região.
Temos o privilégio, de neste momento, podermos nos utilizar da leitura de antigos textos (tombos, inventários, testamentos, etc) e ao mesmo tempo estarmos recebendo documentos (digitalizados) da nossa região que encontram-se em Portugal; da mesma forma podemos comparar as informações cartográficas dos séculos XVII, XVIII e XIX (conservadas principalmente em Diamantina, Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro e Lisboa) com as imagens de satélites da nossa região e comprovar o acerto das informações daqueles desbravadores.    
Nesta última semana, a PROBRIG adquiriu duas obras que permitem, juntamente com as outras fontes do acervo constituído nos últimos anos, concluir uma etapa crucial das nossas pesquisas:   junto ao Arquivo Público Mineiro, foi comprada a cópia digital do livro “Limites entre Minas e São Paulo” – Resumo Histórico Documentado, de Augusto de Lima, publicado em 1920, obra rara que traz informações essenciais para a compreensão da história de Ibiraci, Franca e região e junto a um sebo, na capital paulista, um exemplar do livro “As Divisas de São Paulo e Minas Geraes”, de Francisco Morato, publicado em 1937; com a posição paulista sobre a polêmica questão de limites com os mineiros.

 
Aquisições mais recentes do acervo PROBRIG

 

         No acervo reunido pela PROBRIG nos últimos anos (abaixo relacionado) pontifica o Vol. XI dos Documentos Interessantes para a História e Costumes de São Paulo, publicado em 1896, tendo como conteúdo um levantamento de toda a documentação histórica encontrada pela equipe do Presidente da Comissão Geográfica de São Paulo, o geólogo americano, Orville Adelbert Derby, sobre as questões de divisas entre a Província de São Paulo e a de Minas Gerais. Centenas de páginas, desta documentação, se refere à questão Aterrado-Jacuí-Franca.
Os estudos, que contarão com o apoio de pesquisadores francanos, trarão certamente, mais luzes sobre a nossa história regional.

Obras e documentos de apoio à pesquisa, do acervo PROBRIG:

- Limites entre S.Paulo e Minas – Memória – Prudente de Moraes Filho e João Pedro Cardoso – 1920

- Os primórdios da Franca – Prof. Carmelino Corrêa Junior – 1961

- Do Sertão do Rio Pardo à Vila Franca do Imperador -  José Chiachiri Filho – 1986

- Revista do Instituto Histórico e Geographico de São Paulo – Vol. XXIV – 1.926

- Memória sobre a Viagem do Porto de Santos à Cidade de Cuiabá – Luiz D’Alincourt – Ed. de 1975

- O Povoamento do Planalto da Pedra Branca – Reynaldo de Oliveira Pimenta – 1998

- Poços de Caldas – Homero Benedicto Ottoni – 1960

- Fronteiras (Goiás-São Paulo-Minas Gerais) – Moacir Aguiar – 1993

- A Província Brasileira de Minas Gerais – H.G.F. Halfeld e J.J. Tschudi – Ed. 1.998

- A Capitania das Minas Gerais – Augusto de Lima Junior – Ed. 1.978

- O Triângulo Mineiro nos Oitocentos – Edelweiss Teixeira – 2001

- A Província de São Paulo – Joaquim Floriano de Godoy – 2007

- Sesmarias  (1.720 – 1.736) – Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo – Ed.1.937

- Paulistas e Mineiros – Plantadores de Cidades – Mario Leite – 1961

- História Antiga das Minas Gerais – Vols. 1 e 2 – Diogo de Vasconcelos – Ed. 1974

- História Média de Minas Gerais – Diogo de Vasconcelos – Ed. 1974

- Memória da Cidade de Caconde – Adriano Campanhole – 1979

- Revista do Arquivo Público Mineiro – no 06 a 40 – versão digital – Coleção Mineiriana

- Anotações à História Antiga de Santa Rita de Cássia – Raul Azevedo de Barros – 1990

-  Desemboque – Documentário Histórico e Cultural – Jorge Alberto Nabut – 1986

- História da Capitania de São Vicente – Pedro Taques de Almeida Pais Leme – Ed. 2004

- Na estrada do Anhanguera – Carlos Almeida Prado Bacellar – 1999

- Viagem pela Província de São Paulo – Auguste de Saint-Hilaire – Ed. 1975

- Segunda Viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e a São Paulo – Auguste de Saint-Hilaire – Ed. 1975

- As Divisas de São Paulo e Minas Geraes – Francisco Morato – 1937

- Limites entre Minas e São Paulo – Resumo Histórico Documentado – Augusto de Lima – 1920

- Documentos Interessantes para a História e Costumes de São Paulo – Vol. XI – 1896

- Carta Patente do Capitão Felizardo Antunes Cintra – Arquivo Público Mineiro – 371, fls.89v e 90

- Documentos da Capela de Santa Maria Magdalena do Distrito do Aterrado – Arquivo Metropolitano Dom Duarte Leopoldo e Silva – Estante 01, Prateleira 02, Livro 07, páginas 242 a 248 verso

- Escritura de Doação do Patrimônio – Da. Faustina Maria das Neves –
Paróquia Nossa Senhora das Dores

- Mapa de População, 1832 – Arquivo Público Mineiro – Cx.14 – doc.05 – 1832/05/28

- Atas da Câmara de Franca – 1834/1948 – Museu Histórico Municipal de Franca – digitalizadas

- Documentos de Minas Gerais – Arquivo Histórico Ultramarino – Pastas 001 a 174 – digitalizadas

- Documentos cartográficos: a questão de limites entre São Paulo e Minas Gerais – Neuza Machado Vieira – 1985

- Retóricas cartográficas: as vilas e seus territórios nas Minas setecentistas – Cláudia Damasceno Fonseca - 2010

 

Obs.- as obras relacionadas neste acervo estão à disposição para pesquisa, apenas na sede da PROBRIG.

 

MENU NOTÍCIAS       -       PÁGINA INICIAL