Inicial

IBIRACIENSES NO DESEMBOQUE

         No dia 22/08, os membros da PROBRIG, Jacintho Honório Silva e José Limonti Junior, visitaram o Distrito do Desemboque, no município de Sacramento para participarem de uma visita técnica na Capela de Nossa Senhora do Rosário, que deverá passar por um processo de restauração dos mais completos que já teve, nos seus mais de duzentos anos de construção.
O arquiteto Wellington Farias Carvalho, funcionário do IEPHA, apresentou os problemas encontrados em vistorias anteriores e enumerou os itens de ação constantes no edital referente ao restauro da Capela, que contemplam desde problemas estruturais, nos alicerces e baldrames, até a recuperação de madeiras do púlpito, do altar, portas, bem como a recomposição de todo o piso da nave principal. Enfim um projeto bastante amplo que deverá restituir à antiga Capela a segurança que necessita para continuar levando sua singela beleza às gerações futuras.
Fomos recebidos pela Presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Sacramento, a arquiteta Virgínia Dolabela de Lima e outros representantes da cultura local.

Desemboque, o mito

         O Arraial de Nossa Senhora do Desterro das Cabeceiras do Rio das Abelhas, desde meados do século XVIII, alimentou os sonhos de aventura e riqueza dos colonizadores. O ouro do Rio das Abelhas (depois das Velhas e hoje Araguari), os imensos tabuleiros de serra que abrigavam índios, quilombolas, proscritos das leis portuguesas; as grandes distâncias que o isolavam de Vila Boa e de Vila Rica, a proximidade estratégica entre três Capitanias (Goyaz, Minas Geraes e São Paulo) e o registro de figuras notáveis (como por exemplo, o Cônego Hermógenes Cassimiro Araújo de Brunswicky) em sua história, fazem com que o seu declínio econômico e social, a partir de meados do século XIX, crie um acervo de crônicas e lendas sobre o poder e a influência perdidos ao longo do tempo, restando hoje, cerca de 200 moradores e suas duas igrejas que testemunham a antiga saga de semeadores de povoações pelo Sertão da Farinha Podre.
Para nós, de Ibiraci, o Desemboque foi um desafio em nossa pesquisa histórica, pois com um nome sedimentado em publicações e em memória popular, foi difícil, inicialmente, até para nós mesmos, admitir que este nome, originalmente se referia à primeira povoação registrada cartográficamente no município de Ibiraci, em meados do século XVIII.
Hoje temos claro, a partir de documentação consistente, que o povoado paulista do Desemboque, que existiu na região onde hoje se encontra a Usina de Peixoto (Mal. Mascarenhas de Moraes), foi dizimado por volta de 1.770/80, por alguma das expedições de “limpeza” que “entravam para aterrar os moradores da região”, conforme documentos da época, pois se tratava, certamente, de um arraial de “vadios” (garimpeiros que não pagavam o “quinto”). Por dois motivos somos levados a crer que a expedição que o exterminou veio de Minas: primeiro, porque o arraial estava situado num local estratégico (o Desemboque era o ponto de divisa entre as Capitanias de Goyaz, Minas Geraes e São Paulo desde a demarcação Tomaz Rubi, de 1749, reafirmado pela Linha Luiz Diogo de 1764, conforme o Bando de Jacuhy) sendo que das Capitanias limítrofes, apenas a de Minas estava sujeita ao rigor máximo da voracidade fiscal portuguesa; segundo porque a partir de sua eliminação dos mapas da época, surge (4 léguas a sudoeste, dentro da Capitania de São Paulo) o arraial do Aterrado do Desemboque, origem de Ibiraci e a partir da mesma época passa-se a associar o topônimo Desemboque ao nome do Julgado do Rio das Velhas ( 5 léguas ao norte, dentro da Capitania de Goyaz), numa clara evidência de que os moradores remanescentes “aterrados” embrenharam-se nas Capitanias vizinhas; em São Paulo se fixaram às margens de outro garimpo, o Ribeirão do Ouro e constituíram o Arraial do Aterrado do Desemboque (hoje, Ibiraci) e em Goyaz refugiaram-se no Julgado do Rio das Velhas (conforme consta no Requerimento dos moradores de  São Domingos do  Araxá  pedindo sua passagem para a Capitania de Minas em 1815 : “...alguns homens criminosos e foragidos que se acolheram no Arraial do Rio das Velhas...”) e acabaram por agregar o topônimo “Desemboque” ao nome do Julgado e este veio a prevalecer a partir do século XIX.

   
Imagem de satélite auxilia na compreensão do fato histórico.
Obs._ Divisas entre as três Capitanias, anteriores a 1.816, quando Ibiraci (Aterrado) ainda era da Capitania de São Paulo e o Triângulo não era mineiro (era a parte sul da Capitania de Goyaz).
 
O arquiteto Wellington Farias Carvalho, do IEPHA, explicando detalhes do projeto.

 


Capela de Nossa Senhora do Rosário

  

 

 
Matriz de Nossa Senhora do Desterro

A arquiteta Virgínia Dolabela de Lima nos recebendo no Desemboque

 

MENU NOTÍCIAS       -       PÁGINA INICIAL